5 Minutos de Leitura

30 10 2014

Quinta feira, 30 de outubro de 2014

 

 Biblioteca do Vaticano

 Biblioteca do Vaticano

 

Regressados ao mundo cristão, na Alta Idade Média, as bilbliotecas refugiaram-se nos mosteiros e conventos. Aí, em humildes e húmidos  “scriptoria”, os manuscritos eram conservados, lidos, copiados, traduzidos e ilustrados. A  riqueza das bibliotecas dos mosteiros (uma coleção de 200 volumes era considerada uma grande biblioteca) dependia da presença de eruditos que, regra geral, se dedicavam também ao ensino – escolas monacais e conventuais – e da sua capacidade para pedirem emprestados  manuscritos originais para copiar. Grandes bibliotecas como as de York, do Monte Cassino e Bobbio, embora tivessem estado sujeitas a perdas irreparáveis devidas a roedores, fogos acidentais e destruições de todo o tipo, desempenharam um papel notável na conservação da cultura antiga.

Depois do século X, outras bibliotecas cresceram  paralelamente às dos mosteiros e conventos. Primeiro nas escolas catedrais e, a partir do século XII,  nas inúmeras universidades que se constituíram na Europa.

O Renascimento marcou o declínio das bibliotecas de tipo monástico:  as primeiras coleções particulares dos humanistas podem ser consideradas como o ponto de partida das bibliotecas modernas.

As bibliotecas proliferaram umas atrás das outras, a dos Estes em Ferrara,  a de Federico da Montefeltro em Urbino, a Laurenziana dos Medici em Florença, ou a biblioteca do Vaticano, fundada em 1450 pelo papa Nicolau V (um milhão de volumes impressos, entre os quais cinco mil

incunábulos *  e 60 mil manuscritos)

A biblioteca moderna, onde os livros estão principalmente para o uso do público, só chegou com a difusão da imprensa, no século XVI  que, pela primeira vez, tornava possível a produção de livros em grandes quantidades e a preço mais reduzido. É neste contexto que se começam a constituir algumas grandes bibliotecas  universitárias, como a  Bodleiana em Oxford (uma das mais antigas da Grã-Bretanha, restaurada e reorganizada em 1598, por Thomas Bodley) .  (…)

 

 

Os elementos que constituem esta página fazem parte de um trabalho realizado por Ângela Velho, Cristela Romão, José Miguel Pais e Zita Batoque no âmbito da cadeira de História e Filosofia da Educação no ano lectivo  2002/2003

 

* Incunábulo – Obra impressa antes do século XVI.

 

Texto selecionado pela BE

 

Anúncios

Acções

Informação

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s