5 Minutos de Leitura

28 09 2012

Segunda-feira,  1 de outubro de 2012

Google mergulha no mundo subaquático

Estão já disponíveis imagens da expedição que anda a explorar os mares com uma câmara subaquática especial para uma nova funcionalidade da Google. Depois de dar acesso à distância a museus e até mesmo a paisagens da Antártida, o próximo passo da Google é permitir a observação de locais subaquáticos. A empresa norte-americana Google vai dar mais um passo na disponibilização de imagens do planeta Terra. Através dos serviços Google Maps e Google Earth, será possível explorar paisagens subaquáticas como a grande Barreira de Coral, na Austrália. Da lista fazem também parte Hanauma Bay e a cratera de Molokini, no Havai e Apo Island, uma ilha vulcânica nas Filipinas.

As primeiras imagens subaquáticas panorâmicas já começaram a ser disponibilizadas pela Google, que promete que no futuro será possível, entre outras coisas, ver “estruturas de corais impressionantes” e “recifes ao pôr do sol”.

O projeto é uma parceria com o Catlin Seaview Survey, um estudo científico dos recifes mundiais, que regista as imagens com uma câmara subaquática especial. Posteriormente as imagens estarão disponíveis no Street View, uma funcionalidade do Google Maps.

Os utilizadores poderão depois obter mais informações sobre as paisagens exploradas no site World Wonders. O site contém também descrições sobre os locais a que a Google já dá acesso virtual, como museus, monumentos e até a Antártida.

Em comunicado, a empresa afirma que o projeto faz parte da “busca permanente para construir o mapa do mundo mais abrangente, preciso e útil”, que fará de cada utilizador o “próximo Jacques Cousteau digital”.

Texto selecionado pela BE, retirado de JN 25-09-2012

Anúncios




Google Maps disponibiliza imagens subaquáticas

28 09 2012




28 09 2012

 

 





5 Minutos de Leitura

27 09 2012

 

Sexta-feira,  28 de setembro de 2012

 

 

O Pensador

 

Um dia uma criança chegou diante de um pensador e perguntou-lhe:”Que tamanho tem o universo?”Acariciando a cabeça da criança, ele olhou para o infinito e respondeu:”O universo tem o tamanho do seu mundo.”Perturbada, ela novamente indagou:”Que tamanho tem meu mundo?”O pensador respondeu:”Tem o tamanho dos seus sonhos.”Se seus sonhos são pequenos, sua visão será pequena, suas metas serão limitadas, seus alvos serão diminutos, sua estrada será estreita, sua capacidade de suportar as tormentas será frágil. Os sonhos regam a existência com sentido. Se seus sonhos são frágeis, sua comida não terá sabor, suas primaveras não terão flores, suas manhãs não terão orvalho, sua emoção não terá romances. A presença dos sonhos transforma os miseráveis em reis, faz dos idosos,jovens, e a ausência deles transforma milionários em mendigos faz dos jovens idosos. Os sonhos trazem saúde para a emoção, equipam o frágil para ser autor da sua história, fazem os tímidos terem golpes de ousadia e os derrotados serem construtores de oportunidades. Sonhe!”

Augusto Cury

 

Texto seleccionado pela BE





Oportunidades Disfarçadas – Abraham Lincoln

27 09 2012




5 Minutos de Leitura

27 09 2012

quinta-feira,  27 de setembro de 2012

 

Como nasce um Poeta

 

Nem só de histórias vive o homem,

Nem só de lendas ele se inspira.

Porém, o saber literário ilumina-o,

Como se de uma estrela se tratasse.

A sua alma toma cor, dimensão e luz.

Traduz no vento o seu mais íntimo olhar,

Como quem escreve um poema nas ondas do mar.

Nem só de ilusões se guia o homem,

Nem só de sonhos ele se rege.

Porém, na caligrafia por sua mão exposta,

Se vê com carinho a sua alma imposta.

Nem só de palavras se entrega um homem.

Nem só de silêncios se deixa entregar…

Porém é nas suas palavras,

Nos seus longos silêncios,

Que nasce o viver de um novo poeta!

                                                          

Maria José Figueiredo

Texto selecionado pela BE





5 Minutos de Leitura

25 09 2012

5 Minutos de Leitura

quarta-feira,  26 de setembro de 2012

 

 

Obrigado, Steve Jobs!         

O homem para quem a morte era a maior invenção da vida e que acabou por ser vencido por ela deixa-nos num tempo de grande crise e incerteza. Quando tudo parecia sem sentido, Steve Jobs conseguia mostrar que há sempre um caminho possível para a frente. Todo o seu percurso na Apple, a marca da maçã, toda a cadeia de valor do projeto i – ipod, iphone, ipad – é a melhor demonstração de que só com uma visão de futuro se conseguem respostas para o presente. Steve Jobs era um homem da sociedade aberta de Karl Popper onde a contribuição individual de cada um deve ser a base de uma integração coletiva justa e solidária.            

Steve Jobs foi um homem da Inovação. Segundo as suas sábias palavras, precisamos de novas ideias, de novas soluções, de projetar na sociedade o exercício da responsabilidade individual de forma aberta e participada. Steve Jobs era um homem onde a vontade de fazer coisas novas e diferentes corria à velocidade do som. Steve Jobs soube melhor do que ninguém interpretar o sentido do tempo e a importância de se ser diferente num mundo onde tudo é cada vez mais igual. Para Steve Jobs a vida só tinha sentido se vivida com um sentimento de pertença diferente. A inteligência coletiva que Steve Jobs tanto defendia era um encontro entre todos os que sabem que sem inovação e criatividade o tempo pára e o mundo fica sem soluções.      

Steve Jobs foi um homem do Conhecimento. Na Sociedade do Conhecimento sobrevive quem consegue ter escala e participar, com valor, nas grandes Redes de Decisão. Num mundo em mudança , as Empresas, as Universidades, os Centros de Competência Políticos têm que protagonizar uma lógica de “cooperação positiva em competição” para evitar o desaparecimento. Por isso, importa potenciar e verdadeiramente reforçar uma “capacidade de cooperação” positiva, com dimensão estratégica capaz de se consolidar a médio prazo. Foi essa mensagem de Confiança que Steve Jobs também quis deixar. E com isso quis deixar o seu contributo para um mundo melhor e com mais interesse.               

Steve Jobs foi sobretudo um grande empreendedor! Acreditava na força dos projetos, na capacidade de construir novos contextos, novas perspetivas. Steve Jobs lutou nos último anos pela vida e esse exercício de resistência foi um ato de grande convicção individual. Steve Jobs apelava à partilha de conhecimento, à dinamização de redes colaborativas, ao desenho de estruturas para o futuro. Steve Jobs foi muito um Einstein do futuro, mas foi também muito um Leonardo da Vinci da nova geração. Era um génio que gostava de ser igual aos outros homens. Um homem diferente na igualdade que a diferença também produz. Obrigado, Steve Jobs!

 

 Francisco Jaime Quesado
(Especialista em Estratégia, Inovação e Competitividade)

 

Texto selecionado pela BE