FÉÉÉRIIIAAAASSSS !!!

28 06 2012

A equipa de BE deseja umas boas férias a todo a comunidade escolar.





A BE sugere o filme …

28 06 2012




Sugestão da BE para férias…

28 06 2012
 
 
Sinopse
 
Barcelona, 1957. Daniel Sempere e o amigo Fermín, os heróis de A Sombra do Vento, regressam à aventura, para enfrentar o maior desafio das suas vidas. Quando tudo lhes começava a sorrir, uma inquietante personagem visita a livraria de Sempere e ameaça revelar um terrível segredo, enterrado há duas décadas na obscura memória da cidade. Ao conhecer a verdade, Daniel vai concluir que o seu destino o arrasta inexoravelmente a confrontar-se com a maior das sombras: a que está a crescer dentro de si.

Transbordante de intriga e de emoção, O Prisioneiro do Céu é um romance magistral, que o vai emocionar como da primeira vez, onde os fios de A Sombra do Vento e de O Jogo do Anjo convergem através do feitiço da literatura e nos conduzem ao enigma que se esconde no coração de o Cemitério dos Livros Esquecidos.

 
 
A BE Sugere…
 
 

Teoria Geral do Esquecimento é um romance sobre o medo do outro, o absurdo do racismo e da xenofobia, sobre o amor e a redenção.

Sinopse

Luanda, 1975, véspera da Independência.

Uma mulher portuguesa, aterrorizada com a evolução dos acontecimentos, ergue uma parede separando o seu apartamento do restante edifício – do resto do mundo. Durante quase trinta anos sobreviverá a custo, como uma náufraga numa ilha deserta, vendo, em redor, Luanda crescer, exultar, sofrer.

 
 




5 Minutos de Leitura

14 06 2012

Sexta-feira, 15 de junho de 2012

Férias, tempo de pausa e descanso

Depois de mais um ano de trabalho chega a época das desejadas férias, esperadas com ansiedade.(…)

Hoje as pessoas procuram os lugares solitários. A beleza e o silêncio dos campos, da montanha, das paisagens, da floresta, o contemplar as lindas flores, o campismo, o ouvir o cântico dos passarinhos, a queda das águas límpidas. Tudo o que a natureza nos oferece para o repouso físico e moral. Outros preferem a praia, os passeios, viajar e contactar com outras culturas.

 As férias devem ser um tempo para revitalizarmos o diálogo e o convívio, serenar do stress e das energias perdidas. São um direito que todos devemos usar e desfrutar. (…)

As férias oferecem-nos um equilíbrio humano, psíquico, e alegria saudável. Deixemos o corpo respirar, dedicando-nos aos passeios, ao relaxamento, ao sono restaurador e aos exercícios.
Quantos aproveitam o tempo de férias para se cultivarem quer a nível de viagens culturais, retiros, leitura e outras iniciativas recreativas. Na visita a familiares que muitas vezes vivem bem longe e em locais reconfortantes, onde se respira o ar da manhã sem poluição, onde se contempla o pôr do sol.
As férias são sempre um desafio que se deve gozar pela positiva, construindo uma oportunidade de aproximação com a natureza, com as pessoas, dando mais atenção aos valores humanos, culturais e sociais.
Os jovens depois de um ano de estudos, bem merecem um tempo de repouso e tranquilidade. Devem ter um conceito de férias sadio, estimulante à sua maneira, no convívio com os outros, nas amizades, nas descobertas, nas novas formas de se relacionarem com tudo o que os envolve na vida, nos novos horizontes. Partilhar as emoções positivas, descobrir formas diferentes de conviver, um ideal de bons caminhos. Assim, quer se esteja em casa, no campo, na praia, a visitar o nosso país ou o estrangeiro, as férias são para todos nós um convite à alegria, ao descanso, à solidariedade, em ordem à construção de um mundo mais solidário e humano, nesta era da globalização.

Mudar de ares e de costumes pode enriquecer as merecidas férias.

Nunca conviver só pode levar à solidão, mas sim em família, com amigos, é muito mais enriquecedor e benéfico.

Que as nossas férias não sejam só o correr do relógio, mas uma proximidade humana relacionada com a Natureza.

 

A todos, boas férias!

 

Firmino Santos

Texto selecionado pela BE





National Geographic – Taj Mahal

14 06 2012




Neutrinos…

14 06 2012




5 Minutos de Leitura

13 06 2012

Quinta-feira, 14 de junho de 2012

Os neutrinos afinal respeitam o limite de velocidade cósmico

 

 Os últimos resultados sobre o tempo que os neutrinos emitidos pelo Laboratório Europeu de Física das Partículas (CERN), na Suíça, demoram a chegar a Gran Sasso, Itália, são compatíveis com a Teoria de Relatividade de Einstein: afinal, os neutrinos não viajam mais depressa do que a luz.

 

O anúncio foi feito ontem, em Quioto, no Japão, durante o 25º Congresso de Física dos Neutrinos e de Astrofísica por Sergio Bertolucci, director científico do CERN. Bertolucci apresentou as conclusões de quatro experiências situadas em Gran Sasso e baptizadas Borexino, Icarus, LVD e Opera.

Todas elas, disse este responsável, confirmam que as medições inicialmente realizadas pela equipa da experiência Opera afinal estavam erradas e deveram-se mesmo à falha de um componente de sincronização no sistema de fibra óptica daquela experiência.

Em Setembro passado, a equipa da experiência Opera – um projecto que decorre no laboratório subterrâneo de Gran Sasso do Instituto de Física Nacional Nuclear italiano e utiliza um feixe de neutrinos emitido pelo CERN, a 730 quilómetros de distância – tinha posto a comunidade mundial dos físicos em polvorosa ao revelar a possível existência de neutrinos mais rápidos do que a luz. Outros testes, efectuados pela mesma equipa, tiveram resultados que pareciam confirmar o primeiro.

Mas em Fevereiro deste ano, surgiu a hipótese de tudo não passar de um erro de medição, devido a uma ligação deficiente entre um GPS e um computador, que gerou um desfasamento temporal de 60 nanosegundos. Ora justamente, os neutrinos que pareciam atravessar o solo de Genebra a Gran Sasso mais depressa que a luz faziam-no em menos 60 nanosegundos do que estipula a teoria de Einstein. Esta reviravolta levara, aliás, à demissão do coordenador da experiência Opera em Março.

“Embora [os últimos] resultados não sejam tão excitantes como alguns teriam desejado, era no fundo aquilo que todos esperávamos”, disse agora Bertolucci, citado por um comunicado do CERN. “Esta história cativou a imaginação do público e deu às pessoas a oportunidade de ver o método científico em acção. Um resultado inesperado foi escrutinado, investigado com grande rigor e resolvido em parte graças à colaboração entre experiências normalmente concorrentes. É desta maneira que a ciência avança.”

 

Ana Gerschenfeld

Texto selecionado pela BE