A BE deseja a todos um Santo Natal

18 12 2010





Poema do Menino Jesus de Fernando Pessoa, declamado por Maria Betânia

18 12 2010




Viva o verdadeiro espírito de Natal…

16 12 2010




5 Minutos de Leitura: História Antiga

16 12 2010

5 Minutos de Leitura

Sexta-Feira, 17 de Dezembro de 2010

 

 

 

História Antiga

Era uma vez, lá na Judeia, um rei.

Feio bicho, de resto:
Uma cara de burro sem cabresto

E duas grandes tranças.
A gente olhava, reparava, e via
Que naquela figura não havia 

Olhos de quem gosta de crianças.

E, na verdade, assim acontecia.
Porque um dia,
O malvado,
Só por ter o poder de quem é rei
Por não ter coração,
Sem mais nem menos,
Mandou matar quantos eram pequenos

 Nas cidades e aldeias da Nação.

Mas,
Por acaso ou milagre, aconteceu
Que, num burrinho pela areia fora,
Fugiu daquelas mãos de sangue um pequenito
Que o vivo sol da vida acarinhou;
E bastou
Esse palmo de sonho
Para encher este mundo de alegria;
Para crescer, ser Deus;
E meter no inferno o tal das tranças,
Só porque ele não gostava de crianças.

 

Miguel Torga, Antologia Poética, Coimbra, Ed. do Autor,1981

Texto seleccionado pela BE

 

 

 





Prepara-te para as Olimpíadas do Ambiente

16 12 2010




5 Minutos de Leitura:A Cultura do Plástico

16 12 2010

5 Minutos de Leitura
Quinta-Feira, 16 de Dezembro de 2010

 

A Cultura do Plástico

O produto mais consumido pelo Natal é o saco de plástico. “Polímeros, sintetizados do petróleo”, que esticam e se contraem, quando aquecem ou quando esfriam. Será que temos consciência dos danos que os sacos descartáveis causam ao planeta? Demoram mais de 150 anos a degradar-se, mas apenas 1% é reciclado!
Os saquinhos plásticos, coloridos, tão do nosso agrado, fotodegradam-se… Com o passar do tempo, decompõem-se em petro-polímeros menores e mais tóxicos, que contaminam os solos, os recursos hídricos subterrâneos, as vias fluviais, os lagos e os mares. Como consequência, partículas microscópicas podem entrar na cadeia alimentar (National Geographic, Setembro 2003). Já foram encontrados sacos plásticos a flutuar no Norte do Círculo Polar Árctico; também na zona austral, perto da Antárctida…
Sabias que o Mar Mediterrâneo, que alberga estâncias turísticas de gabarito, é depósito de lixo, incluindo plásticos? E que os Estados Unidos da América e a Europa consomem 80% da produção mundial de sacos descartáveis? Em Espanha, geram 100 000 toneladas de lixo e uma emissão de 440 000 toneladas de gases com efeito de estufa.
Há 30 anos, portugueses e “nuestros hermanos” iam às compras – mercearias, mercados – com um carrinho ou saco de pano. Mas uma grande superfície comercial pensou que as bolsas de plástico de um só uso eram excelente montra para a sua publicidade… e começou a oferecê-las em toda a parte!..
Felizmente, vários países começam a adoptar medidas que proíbem esse abuso, obrigando ao seu pagamento, ou substituindo-os por sacos biodegradáveis e reutilizáveis.
Mas continuamos a viver mergulhados na “república dos plásticos”!..
É a comida plástica, amiga do colesterol e da gordura prematura. É o dinheiro plástico, que hipoteca gerações para sempre, graças ao assédio aos cartões de crédito. É, como se não bastasse, o “emprego de borracha”, elástico no trabalho precário, flexível no despedimento sem justa causa. É a cultura da aparência, luzidia por fora, mas vazia na sua essência… Lifting: plástica, para eliminar o envelhecimento da máscara. Até o sorriso é acrílico, digo, de plástico!
Raul PENHA (A triste história dos sacos plásticos descartáveis que “ganhamos” com tanta facilidade nas lojas…, Agência de Protecção Ambiental dos EUA, 29/11/2008) revela que “são consumidos anualmente entre 500 mil milhões e 1 milhão de milhões de sacos plásticos em todo o mundo.” E prossegue: “O efeito sobre a vida natural pode ser catastrófico. As aves ficam presas, sem esperança. Cerca de 200 espécies de vida marinha, incluindo baleias, golfinhos, focas e tartarugas, morrem por causa dos sacos plásticos. Morrem depois de ingeri-los, confundindo-os com comida. [E ingerem isqueiros, frascos, garrafas e outros objectos plásticos, que são arremessados nas praias e transportados para lugares inimagináveis, através dos oceanos]
Se usarmos uma bolsa de tecido, podemos economizar 6 saquinhos plásticos por semana. Ou seja: 24 sacos por mês; 288 sacos por ano; 22 176 sacos ao longo da vida. Se apenas 1 de cada 5 pessoas [nos EUA] fizesse isso, economizaríamos 1 bilião 330 mil milhões (1 330 560 000 000) de sacos plásticos durante as nossas vidas.”
Os sacos plásticos são feitos de polietileno: um termoplástico que se obtém a partir do petróleo. Reduzindo o seu uso, diminuirá o consumo deste recurso não renovável, que gera tantos conflitos, e contribui para o aquecimento global e a perda da biodiversidade…
Nas compras, reutiliza o saco biodegradável!
Há gente que ignora tudo isto, mas agora… TU JÁ SABES!!!

Francisco Carneiro Fernandes





15 12 2010

As férias estão à porta… Prepara com entusiasmo a tua participação nas actividades de Natal da nossa escola!