Programa da 12ª Feira do Livro

30 06 2010

 

PROGRAMA DO DIA

3 de Julho (Sábado)

 

21h00 – Grupo de Bombos e Cabeçudos da Ancorensis, Coop. de Ensino (Local: Praça da República)

 21h15 – Cerimónia de abertura da Feira.

(Local: Praça da República)

22h00 – Representação da peça de teatro “O Morgado de Fafe em Lisboa” de Camilo Castelo Branco (Local: Auditório do Centro Cultural de V.P.Âncora)

 

 

 

PROGRAMA DO DIA

4 de Julho (Domingo)

 

16h00 –  Colóquio/Debate “A República em Portugal (1910-2010). Uma Visão Republicana“

Convidado:  Dr. Fernando Nobre

 (Local: Centro Cultural de V.P.Âncora)

 

  

PROGRAMA DO DIA

5 de Julho (Segunda-Feira)

 

21h00 – Lançamento e apresentação do livro “A espada flamejante” do jovem escritor ancorense, David Costa.

 (Local: Centro Cultural de V.P.Âncora)

 21h30 – Momentos de poesia com o Prof. João Vilas

(Local: Centro Cultural de V.P Âncora)

22h00 – Noite de folclore e etnografia:

             -Grupo de Cantares Tradicionais de Âncora

              -Grupo Etnográfico de Vila Praia de Âncora.

              (Local: Praça da República)

21h00 – Tertúlia e sessão de autógrafos com o escritor Daniel Marques Ferreira

(Local: Centro Cultural de V.P.Âncora)

22h00 – Desfile de moda com a participação do grupo “ Arte em Movimento” .

(Organização do comércio local e da Associação Comercial dos Vales do Âncora e Coura)

(Local: Praça da República)

 

 

PROGRAMA DO DIA

6 de Julho (Terça-Feira)

 

18h00 – Caminhada Literária e Republicana (passeio guiado às ruas de V.P.Âncora com nomes de escritores e outros ligados à República)

(Saída da Ancorensis)

22h00 – Espectáculo de variedades da Ancorensis.

(Local: Praça da República)

 

PROGRAMA DO DIA

7 de Julho (Quarta-Feira)

 

21h00 – Tertúlia sobre a temática “ Leituras do desejo em Camilo Castelo Branco”

Oradores: Prof. Doutor José Cândido de Oliveira da Universidade Católica e Prof. Doutor Guimarães Sousa da Universidade do Minho.

(Local: Centro Cultural de V.P Âncora)

 22h00 – Espectáculo de Dança Contemporânea

Academia de Dança “Fashion Dance”

Step Jucaminha

Adeixa  -Associação de Dança do Eixo do Atlântico

(Local: Praça da República)

 

PROGRAMA DO DIA

8 de Julho (Quinta-Feira)

 

21h00 – Apresentação e lançamento do livro “O que se via e ouvia ao balcão do Portela” de Paulo Barreto.

(Local: Praça da República)

22h15 – Concerto da banda “Pólen” com o vocalista Hélder Reis.

(Local: Praça da República)

 

PROGRAMA DO DIA

9 de Julho (Sexta-Feira)

 

21h00 – Tertúlia e sessão de autógrafos com o escritor Moita Flores e apresentação do seu último romance “ Mataram o Sidónio”

(Local: Centro Cultural de V. P. Âncora)

 22h00 – Actuação da Orquestra de Cordas e Coro da Academia Fernandes Fão.

(Local: Praça da República)

 

PROGRAMA DO DIA

10 de Julho (Sábado)

 

21h00 – Tertúlia e sessão de autógrafos com o escritor Francisco José Viegas

(Local: Centro Cultural de V.P.Âncora)

22h00 – Encontro de grupos corais:

              –Orfeão de Vila Praia de Âncora

              -Agrupación Polifónica Centro Asturiano de Avilés

(Local: Capela N.ª Sr.ª da Bonança)

 

PROGRAMA DO DIA

11 de Julho (Domingo)

 

14h30 – Apresentação do livro “Pedaços de Memória” da Universidade Sénior de Vila Nova de Cerveira

(Local: Centro Cultural de V.P.Âncora)

16h00 – Concerto com o pianista Luís Pipa. Homenagem aos compositores Schumann e Chopin (bicentenário dos seus nascimentos)

(Local: Auditório do Centro Cultural de V.P.Âncora)

22h00 – Pierre Chacal – La Chanson Française, ao piano com Paulo Pinto.

(Local: Auditório do Centro Cultural de V.P.Âncora)

 





12ª Feira do Livro

30 06 2010

A BE convida toda a comunidade a participar na Feira do Livro, que decorrerá do dia 3 até ao dia 11 de Julho, na Praça da República, em Vila Praia de Âncora.

 





Morreu José Saramago

18 06 2010

 

O prémio Nobel da Literatura faleceu aos 87 anos

O escritor, laureado com o Nobel em 1998, sofria de graves problemas respiratórios. ‘Caim’ fica para a história como o último livro de Saramago.

José Saramago nasceu na aldeia ribatejana de Azinhaga, concelho de Golegã, no dia 16 de Novembro de 1922, embora o registo oficial mencione o dia 18.

Os seus pais emigraram para Lisboa quando ele ainda não tinha três anos de idade. Toda a sua vida tem decorrido na capital, embora até ao princípio da idade madura tivessem sido numerosas e às vezes prolongadas as suas estadas na aldeia natal.

Fez estudos secundários (liceal e técnico) que não pôde continuar por dificuldades económicas. No seu primeiro emprego foi serralheiro mecânico, tendo depois exercido diversas outras profissões, a saber: desenhador, funcionário da saúde e da previdência social, editor, tradutor, jornalista.

Publicou o seu primeiro livro, um romance (“Terra do Pecado”), em 1947, tendo estado depois sem publicar até 1966. Trabalhou durante doze anos numa editora, onde exerceu funções de direcção literária e de produção. Colaborou como crítico literário na Revista “Seara Nova”.

Em 1972 e 1973 fez parte da redacção do Jornal “Diário de Lisboa” onde foi comentador político, tendo também coordenado, durante alguns meses, o suplemento cultural daquele vespertino. Pertenceu à primeira Direcção da Associação Portuguesa de Escritores. Entre Abril e Novembro de 1975 foi director-adjunto do “Diário de Notícias”. Desde 1976 vive exclusivamente do seu trabalho literário.

Retirado do Sapo.pt (18-06-2010)





As férias estão à porta!

18 06 2010

Começou a época balnear !!!





5 Minutos de Leitura:Férias são tempo de quê?

17 06 2010

5 Minutos de Leitura

18 de Junho, Sexta-feira


Férias são tempo de quê?

As férias quase sempre são assim. Queremos fazer tudo o que podemos e aproveitar bem o tempo tão sonhado durante o resto do ano. Elas passam tão rápido que quando nos acostumamos com a ideia, já está na hora de voltarmos para a escola. Mas, é um tempo maravilhoso no qual acontecem coisas novas e interessantes!

Como é bom voltarmos para o grupo a que pertencemos e contar tudo o que vivemos nas férias, dando brilho e cor aos acontecimentos, revivendo os factos, levando outros a viverem connosco cada momento, embalados pela imaginação.

Há aquelas pessoas que falam das maravilhas que são as férias no campo, ou na montanha, com paisagens encantadoras, e o cheiro das flores e das ervas, o pôr-do-sol, o canto dos passarinhos, a comida gostosa da avó, as horas de silêncio, a paz, a calma, e de como tudo isso repousa e descansa e faz bem à alma.

E há outras que preferem o litoral, e estando lá, esquecem o resto do mundo enquanto contemplam o azul infinito dos céus, descansam os ouvidos no embalo das ondas, e sentem o sol no corpo… repousam, descansam e sonham.

Mas, é claro que as férias não se resumem em viagens e passeios a lugares espectaculares. São dias destinados ao descanso após actividades consecutivas num período anual ou semestral de trabalho ou estudo. E viajar não é a única opção!

Dormir um pouco mais, cuidar da saúde, visitar parentes e amigos, praticar desportos, fazer uma boa leitura, caminhar no parque ou simplesmente nas ruas da cidade… O importante é que no final voltemos para a “labuta” do dia-a-dia, com paz na alma e as “baterias recarregadas”.

Presenciei uma cena esta semana, a qual me fez reflectir sobre este assunto e, de uma certa forma preocupei-me, já que os adolescentes de hoje são o “futuro da humanidade”. Dois jovens conversavam e o assunto era férias conjugadas com internet. Falavam de jogos, sites “incríveis”, conversas no chat, flirts, e muito mais!

Orgulhavam-se do número de horas que tinham ficado no computador, e parecia que cada um queria bater o recorde, pelo menos na conversa. Um dizia que ficou na internet até de madrugada, o outro orgulhava-se de ter amanhecido o dia navegando. E a conversa seguiu em frente, só pude escutar até ali, mas foi o bastante para reflectir: Que descanso estes garotos tiveram? Que personalidade está a ser formada por detrás dos botões electrónicos? Para onde caminha esta geração?

Sei que cada um é livre e faz o que quer de seu tempo, mas quando penso em férias, jamais consigo imaginar-me parada em frente de um monitor sem ver a luz do sol nem sentir a brisa de cada manhã.

Dijanira Silva

Texto seleccionado pela BE





Cancro de Pele – Prevenção

17 06 2010




5 Minutos de Leitura:

17 06 2010

5 Minutos de Leitura

17 de Junho, Quinta-feira

 

Cancro de pele conta com mais 10 mil casos por ano

 

Todos os anos há mais 10 mil casos de cancro de pele em Portugal. Entre eles estão 800 novos melanomas, altamente perigosos e que, em 20% dos casos, são fatais. Na origem destes números, que têm crescido nos últimos anos, está a exposição exagerada ao sol. Um excesso que pode resumir-se a uns escaldões na infância mas que, 30 anos mais tarde, pode potenciar um melanoma.

Como os comportamentos de risco parecem manter-se, nomeadamente junto dos adolescentes e dos adultos mais jovens que promovem o culto do corpo bronzeado, os números deverão continuar a crescer nos próximos anos (…).

Anos após ano, os casos de cancro na pele têm subido 6 a 7 por cento entre os portugueses, apesar das inúmeras campanhas de sensibilização da população. E nos dias de hoje estão a pagar-se os erros cometidos no passado, às vezes há 20 ou 30 anos. Altura em que não se conheciam tão profundamente os efeitos nocivos da exposição prolongada aos raios solares e as consequências de escaldões e queimaduras do sol.

O aparecimento do melanoma, e ao contrário dos outros tipos de cancro de pele menos violentos, está associado a situações agudas e não a uma exposição solar crónica e regular. Por isso, os especialistas alertam para os riscos que crescem exponencialmente na época balnear e que podem ser combatidos com a alteração de comportamentos.

Tais como a ida para a praia nas horas de sol mais forte (das 11 às 16 horas), a não utilização de roupas adequadas e chapéu, e ainda a aplicação desadequada do protector solar. Os especialistas alertam para as condições correctas de aplicação destes cremes que devem proteger a pele de agressões maiores. Defendem a aplicação regular, antes da exposição ao sol (antes de sair de casa se for para a praia) e a escolha de um índice ajustado à cor da pele (o 30 é o mais aconselhável), que deve manter-se todo o Verão e não ser reduzido. O creme deve ser bem espalhado e utilizado noutras situações de lazer para além da praia. Por exemplo, as crianças devem fazê-lo na escola, em dias de sol mais forte (…)

Mas nem todos os tipos de pele estão sujeitos aos mesmos perigos. Os grupos de risco são compostos por pessoas com pele clara e sardenta, cabelo ruivo ou louro, olhos azuis ou verdes e que apresentam dificuldade em bronzear-se. O risco aumenta se as pessoas tiverem muitos sinais espalhados pelo corpo e antecedentes de melanomas em familiares.

Os especialistas consideram que a tendência para o aumento de casos de melanoma deverá manter-se nos próximos anos. Estimativas que se prendem com a análise da realidade actual. Um inquérito feito junto da população mais jovem  demonstrou que 85% dos jovens com idades entre os 16 e os 24 anos já tinham apanhado um escaldão. Na camada etária superior, até aos 40 anos, a percentagem foi de 77%. Ou seja, tendências que indiciam que esta curva ascendente se vai manter no longo prazo.

Rita Carvalho

 Texto seleccionado pela BE